28/02/2012

I'll Be Back...To Black!

Depois de 2 anos e meio o programa Back To Black deixa o rádio com um sentimento de dever cumprido e um gostinho de quero mais.
 
 
 
 

O desafio era grande. Trocar a consolidada e famosa Eldorado FM por uma aventura musical chamada Oi FM. Largar uma posição confortável no Jazzmasters de uma hora semanal e encarar um projeto solo de 4 horas semanais. Um programa meu, só meu!

Nascia então o Back To Black na Oi FM, versão Sérgio Scarpelli. Sim o programa já existia na frequência, mas a minha missão era de reformulá-lo totalmente e dar a minha cara. Em termos de produção não tinha o menor problema pois já fazia isso sozinho durante 5 anos na Eldorado.

Mas em termos de apresentação, era a minha estréia. Por mais que estivesse acostumado com o microfone de uma rádio, meu papel na Eldorado FM era praticamente de comentarista, além lógico de produtor. Na Oi FM eu tinha que bater escanteio e cabecear. Um desafio e tanto.

Então minha decisão foi ser eu mesmo. Sem construir um personagem ou qualquer coisa do tipo. Minha carta na manga era o profundo amor pela música, meu vasto conhecimento e o imenso acervo que eu tinha. Minha felicidade de estar ali apresentando as músicas que eu gosto.

E em 29 de agosto de 2009 estreava o Back To Black na Oi FM. Detalhe é que 2 meses antes tinha morrido meu maior ídolo na música, minha referência e meu mestre, Michael Jackson. E escolhi o dia do seu aniversário para a estréia do programa. Coisa de fã mesmo.

Foi muito estranho encarar o microfone sozinho. Não ter ninguém com quem comentar.Hoje quando eu ouço a primeira edição chega a me causar calafrios. As músicas são realmente fantásticas, mas minha performance foi algo de muito estranho e devagar..

Mas fui em frente. E o Back To Black em pouco tempo foi conquistando seu espaço. Com um conceito musical forte que era reunir num só programa as raízes da música negra e as novas caras do gênero. Em outras palavras, tocar música nova e tocar clássicos. Sempre com influências black.

Na verdade ao encher o programa de novidades eu dava uma nova dimensão para músicas antigas. Ao tocar um grupo moderno como o Crazy P eu mostrava que sua influência era o grupo Chic lá dos anos 70. E tem zilhões de exemplos assim na história do programa.

Outra coisa bacana foi tentar passar ao público mais jovem de onde as coisas vinham. Por exemplo a House Music teve toda sua origem na Disco Music. Mas onde nasceu essa tal de Disco Music? Na Filadélfia num movimento chamado Philly Soul. E por aí vai.

E assim durante 2 anos e meio fiz do Back To Black uma marca forte. Um programa campeão de interatividade na Oi FM. O BTB sempre liderou aquela coisa de mandar SMS para saber que música tava tocando. E assim fui conquistando cada vez mais ouvintes.

Foram 256 edicões inéditas. Nunca houve uma reapresentação sequer do Back To Black. Toda semana dois programas inéditos. E o que é mais bacana, consegui construir um perfil para quarta-feira e outro para o sábado. O assunto era o mesmo mas o mood era diferente.

Nestas 256 edições toquei mais de 6 mil músicas. E dessas mais de mil lançamentos exclusivos. Foram mais de 500 horas de programação. Isso sem contar as edições ao vivo do SPFW , da Fashion Rio e do Festival B2B. Um trabalhão mas que valeu a pena cada minuto.

Também produzi 15 epeciais neste tempo todo. Duas horas dedicadas a um artista ou a uma banda só. Contando sua história, sempre respaldado com matérias escritas por mim no site. De Jamiroquai, passando por Incognito, Nile Rodgers, Quincy Jones, até Michael Jackson.

O Back To Black também foi conquistando o respeito dos produtores internacionais que começaram a mandar suas músicas diretamente para eu tocar no programa. Ganhou destaque no O Globo, na Folha de São Paulo, no jornal Agora e muitos sites e blogs.

Enfim quando a gente quer falar de um filho, a gente fala e elogia para caramba. E sou um pai coruja quando o assunto é Back To Black. Tenho muito orgulho destes dois anos e meio. E valeu muito a pena encarar aquele desafio lá do início. Nunca dei uma tacada tão certa na vida.

O Back To Black sai do ar apenas por uma questão mercadológica. Com um novo patrocinador master, a radio agora vai se dedicar aos esportes por exigência deste novo anunciante. E por isso toda a programação musical e equipe da Oi FM saem de cena. Coisas da vida!

Queria agradecer a todos ouvintes pelo imenso apoio e carinho nestes 2 anos e meio de Back To Black. Foi um período onde pude aprender muito, me reciclar como profissional de rádio e o mais importante, construir uma marca forte e reconhecida pelo público e crítica.

Hoje o Back To Black é um nome consolidado e com uma legião de fãs. E por isso ele não termina aqui. O site continuará no ar, as informações e tudo mais. E em breve devemos nos encontrar novamente. É apenas uma questão de tempo. Terminou um capítulo. E não a história toda.


I'll be back...to black!


 
 
 
 

Back To Black
Producão e Apresentação - Sérgio Scarpelli
Montagem - Marco Crozera, Claudio Vizu e Beto Dias
Vinhetas - Sérgio Rezende (Comando S Audio)
Pesquisa e Texto - Sérgio Scarpelli
Apoio - Oi, Diageo e Volkswagen
Direção Geral - Silvio Calmon