26/09/2018

C'est Chic! Again…

Depois de 26 anos, o Chic volta a lançar álbum com um Nile Rodgers em plena forma e o som Disco moldado para o Século XXI.
 
 
 
 

O Chic está de volta. Isso mesmo, o velho e bom Chic. Depois de um hiato de 26 anos a banda americana está lançando o seu 9º álbum de estúdio chamado "It's About Time”. Um álbum mais do que esperado para quem ama o som Disco e acompanha a carreira do gênio da guitarra e da produção Mr Nile Rodgers.

Há muitas explicações para um intervalo tão grande desde “Chic-Ism” de 1992 até aqui. Em 1996 falecia o parceiro inseparável de Rodgers, o baixista e também produtor Bernard Edwards. E em 2003 partia o baterista Tony Tompson. Junte tudo isso a uma fortuna de bilhões e a falta de necessidade de por comida na mesa.

Nas próprias palavras de Nile Rodgers a perda do seu “irmão” e parceiro da vida toda Bernard Edwards o fez perder sua inspiração para a música. Vale lembrar que além do Chic, Nile Rodgers é um dos maiores produtores de todos os tempos colecionando sucessos de Diana Ross, Madonna, David Bowie, Sister Sledge.

Mas a vida é uma montanha russa e prega peças na gente. Nile Rodgers foi diagnosticado com um câncer agressivo na próstata. E isso o fez repensar toda sua vida. Ele lançou um blog chamado “Walking On Planet C”, que além de contar sua experiência no combate a doença, revivia seus grandes momentos na carreira.

Nesse meio tempo Nile Rodgers com o objetivo de levar seu trabalho as gerações mais novas liberou todos seus masters para o DJ francês Dimitri From Paris e lançou o Box “Savoir Fare” que reunia os remixes inéditos de Dimitri para clássicos do Chic e Sister Sledge, além de músicas inéditas nunca lançadas por Rodgers.

E enquanto estava trabalhando nos remixes, Dimitri encontrou a dupla Daft Punk numa de suas viagens e mostrou para eles seu trabalho junto ao Chic. Os dois ficaram maravilhados com aquilo e acabaram convidando Nile Rodgers para co-produzir e participar do novo álbum do Daft Punk, “Random Acess Memories”.

Resultado de tudo isso. O álbum do Daft Punk estourou no mundo inteiro. A música “Get Lucky” com Nile Rodgers na guitarra e Pharrell Williams nos vocais se tornou o single mais tocado do mundo. E como se isso não bastasse, Nile Rodgers venceu o câncer, e simplesmente estava curado.

Com essa injeção fantástica de ânimo Nile Rodgers voltou completamente à ativa. Botou o Chic novamente na estrada fazendo turnês pelo mundo inteiro, até o nosso Rock In Rio recebeu a banda, e fuçando seus arquivos lançou o primeiro single de Chic em mais de 20 anos, a música “I'll Be There” em 2015.

“I’ll Be There" foi criado por Rodgers a partir das fitas dos anos 70 com a presença de membros originais da banda, como Bernard Edwards, Tony Thompson, Alfa Anderson e Luci. Martin. O single chegou ao número 1 da para dance da Bilboard mostrando pra Rodgers que um novo álbum do Chic era muito bem-vindo.

E chegamos a "It's About Time" em 2018. Já na capa você percebe o resgate do Chic, numa clara homenagem a capa do primeiro álbum da banda de 1977. É o Chic raiz. Por isso na primeira escutada achei o disco relativamente direto, sem rodeios, estamos mesmo diante daquela banda disco só que agora em 2018.

Para um fã declarado da banda e de Nile Rodgers ter nas mãos um álbum novo do Chic sem dúvida é um momento muito emocionante. Como deve ter sido muito emocionante e denso todo esse processo para Nile Rodgers. Não estamos diante apenas de um gênio da música. Mas de um sobrevivente.

"It's About Time" foi um trabalho minuncioso de Rodgers feito através de várias sessões de gravação em cidades ao redor do mundo. E com todo processo de mixagem final e masterização no lendário Abbey Road Studios em Londres com Nile Rodgers cuidando de cada detalhe.

O álbum tem 10 faixas com o estilo de composição e o brilho da produção de Rodgers só que com um toque de modernidade. Ou seja, você tem as clássicas batidas e ritmos da música Disco transportados em uma máquina do tempo para 2018 e elas soam frescas e nem um pouco datadas. É o som do Chic Século XXI.

Como Nile Rodgers é um dos nomes mais importantes da Indústria Fonográfica ele teve a sua disposição no estúdio de gravação. Uma lista fantástica de músicos e artistas sejam veteranos ou revelações, para contribuir em “It's About The Time”. Fora que ele é um cara humilde e que todo mundo gosta estar [perto.

O álbum apresenta Elton John, Mura Masa, Cosha, Vic Mensa, NAO, Craig David, Don Stefflon, Lunch Money Lewis, Hailee Steinfeld, Philippe Sais, Emeli Sandé, Sir e Lady Gaga. Se isso não bastasse, tem também Teddy Riley, o cara do New Jack Swing, o cara do Dangerous, numa produção.

Mas isso são apenas nomes que você lê na contra-capa. Na hora de escutar é que o bicho pega. Seria até redundante dizer que logo na primeira faixa o Chic dá vontade de dançar não é? Mas é exatamente isso que acontece em “Till The World Falls”, uma música que soa retro com um baixo matador.

A partir daí, “Boogie All Night”, “Sober”, “Do You Wanna Party”, “Dance With Me” e “I Dance My Dance” mantêm o nível de energia no teto. Em meio a todas as festas, “Sober” foi uma ótima seleção como single, sendo o casamento perfeito do já mencionado New Jack Swing do passado com texturas modernas.

Mas Nile Rodgers é gênio e um novo groove surge com "State Of Mine”. Obra prima. Lembrei de antigos álbuns do Chic em que a dupla Rodgers/Edwards em meio a saculejantes hinos Disco sempre colocavam alguma música instrumental matadora no meio. Nile não esqueceu disso.

E com a dupla Elton John e Emeli Sandé o Chic nos brinda com a balada “Queen”. Música linda com uma letra sensível. E que segundo Rodgers é uma das canções mais importantes que ele já fez. Nesses tempos de feminismo, essa música realmente deixa a mensagem que toda mulher deve ser tratada com amor e respeito.

E pra finalizar um casamento que foi idealizado pelo estilista Tom Ford e que Nile Rodgers decidiu investir. O clássico “I Want Your Love” interpretado pela diva Lady Gaga. Só digo duas coisas, essa música tem a chance de virar clássico pela segunda vez e a Lady Gaga nasceu para cantar essa música.

A vida realmente é algo de muito maravilhoso quando resume ela ao amor. Eu amo o Chic desde que era um adolescente. E pensei que o Chic seria um amor para guardar na memória, daqueles que você relembra com um sorriso no rosto. Mas eis que eles estão de volta em pleno 2018 com sabor e encanto de amor novo.


Sergio Scarpelli