21/05/2018

Top 20 - Os 20 melhores álbuns por Sérgio Scarpelli

Conheça aqui a lista Back To Black dos 20 melhores álbuns de todos os tempos. Só dois fazem parte do Século 21.
Numa espécie de brincadeira nas Redes Sociais meu amigo e ouvinte Fê Pinatti me pediu para listar os 20 álbuns preferidos da minha vida. Há muito tempo atrás fiz uma lista dos 50 que eu mais amo. Então era só pegar os nomes e postar durante vinte dias. Eu nunca tinha reparado direito na lsita. Claro que há um fanatismo pelo Michael Jackson como não poderia deixar de ser. E também por Earth Wind & Fire, Chic e Stevie Wonder. Mas notei que apenas dois álbuns estão neste nosso século. Sinais do tempo. Poucos gênios estão surgindo e o conceito de álbuns estão se esvairindo graças aos serviços de streamings da vida. Não sei se a música, o mundo ou as pessoas estão com o espírito mais pobre. Mas anda tudo muito esquisito. Não é questão de ser saudosista porque não sou. Mas na hora que você vai escolher um álbum, é inegável que o que foi feito lá atrás já não se faz mais. Mas vamos a lista em ordem decrescente.

20) The Dude - Quincy Jones (1980)

 
   
 
Álbum autoral do produtor Quincy Jones que ele gravou em 1980 entre "Off The Wall" e "Thriller" o que demonstra um fase realmente inspiradíssima do mestre. "The Dude" é uma obra prima black com arranjos pra lá de bem elaborados com músicos escolhidos a dedo e um time realmente incrível de colaboradores que Quincy Jones levava sempre para suas produções como Patti Austin, que abusa no álbum, James Ingram, Louis Johnson entre outros. "Ai No Corrida", Razzamatazz", "Turn On The Action", "Just Once" e "Betcha' Wouldn' Hurt Me" são as grandes faixas.



19) Dangerous - Michael Jackson (1991)

 
   
 

Álbum em que Michael Jackson deixou a parceria com Quincy Jones e apostou no New Jack Swing de Teddy Riley que bombava na época. E fez um grande disco. Aliás foi o último grande álbum de Michael Jackson. Numa fase mais pop e mais branca, Michael não esqueceu suas raizes negras e fez coisas realmente inesquecíveis aqui tanto musicais como em termos visuais e em shows ao vivo. Realmente era um artista a frente do seu tempo.
Com a característica típica de Riley de batidas mais secas, temos os melodiosos vocais de Michael fazendo-nos não esquecer do que estamos ouvindo. "Remember The Time", " Dangerous", "Jam", "Who Is It", " In The Closet","Black Or White" e o lindíssimo hino "Heal The World" são as faixas impagáveis.

18) C'est Chic - Chic (1978)

 
 
 
 


Aaahh freak out! Le freak, see'est Chic! Quem já não ouviu e não dançou isso na vida, hein? Obra prima disco produzida pela dupla Nile Rodgers e Bernard Edwards e que nasceu quando eles foram barrados na porta do Studio 54 em Nova York. Vejam só que ironia. O Chic foi barrado na porta de uma Disco. Linha de baixo estonteante e guitarra frenética com vocais precisos. Essa fórmula do Chic era realmente infalível. A faixa "Le Freak" foi durante anos o single mais vendido da hisória da WEA. Mas o disco ainda tem a belíssima "IWant Your Love", "Chic Cheer" e uns lados Bs incríveis como "Sometimes You Win" e "Happy Man".


17) The Brand New Heavies (1991)

 
   
 

O Acid Jazz foi uma luz que se acendeu na música negra no começo dos anos 90 principalmente por causa desses ingleses do Brand New Heavies. E muito por causa da versão americana deste álbum que teve a brilhante idéia de colocar a vocalista N'Dea Davemport na banda. Não é a toa que o Brand New Heavies ficou conhecido assim no mundo todo e fez o Acid Jazz ecoar aos quatro cantos. Esse álbum além de ter uma parte instrumental impecável com um Funk (o verdadeiro) tocado de uma forma sublime, traz canções realmente que se tornaram hinos da vertente. "Never Stop" pra mim é o melhor Acid Jazz já feito. É uma música perfeita. Além disso temos aqui "Stay This Way" que é outra coisa de outro mundo. E como se não bastasse "Dream Come True", "Sphynx", "Don't Let It Go to Your Head" e "Got to Give".

16) Ladies Night - Kool & The Gang (1979)

 
   



O produtor e músico brasileiro Eumir Deodato simplesmente transformou a ótima banda funk Kool & The Gang em um sucesso pop mundial com esse álbum "Ladies Night" de 1979. Para isso ele contou com vários ingredientes fundamentais. Primeiro uma levada Disco Funk contagiante tocada de maneira fabulosa pela banda. Grandes músicas capazes de se tornarem hits de uma maneira muito rápida numa  Disco ou num dial de qualquer estação de FM. E finalmente, a inclusão do ótimo vocalista James J.T. Taylor, que se tornou marca registrada do Kool & The Gang deste disco em diante. É um álbum impecável do começo ao fim com destaque cinco estrelas para 4 faixas simplesmente antológicas "Ladies Night", "Too Hot", "Hangin' Out" e "If Feel Like Dancing".


15) Talking Book - Stevie Wonder (1972)


 
   
 

Esse álbum já vale só por ter a música "Superstition". Não precisaria nem ouvir o resto de tão magnífica que ela é. De tão diferente e tão atemporal. Mas estamos aqui falando de um gênio chamado Stevie Wonder e os gênios
costumam ser inquietos. Por isso o álbum "Talking Book" de 1972 reserva outros momentos sensacionais para a gente. Foi o álbum que deu o primeiro Grammy da carreira de Stevie Wonder. O primeiro de muitos. E colocou esse gênio negro no topo dos charts tanto com "Superstition" como com outra faixa antológica que temos aqui que é " You are The Sunshine Of My Life". Stevie Wonder usa o sintetizador que aqui tem o nome de Clavinete com total desenvoltura. Ele toca praticamente todos os instrumentos no disco. Outras faixas deliciosas são "Tuesday Heartbreak", " You and I" e "Blame It On The Sun".

14) Random Acess Memories - Daft Punk (2013)

 
   
 

Buscar no passado o som do futuro. Essa dupla francesa resgatou mais do que Nile Rodgers e a boa Dance Music. Resgatou toda a minha vontade de comprar um disco em pleno Século 21. E ainda um disco de vinil. Tudo começou quando  os Daft Punks Guy-Manuel e Thomas Bangalter encontraram Dimitri From Paris num vôo. E Dimitri estava trabalhando nos remixes de Nile Rodgers tanto do Chic quanto Sister Sledge. Quando os Daft Punks ouviram aquilo pediram o telefone de Nile Rodgers na hora e daí nasceu Random Acess Memories e a parceria toda. Daí veio Giorgio Moroder e todo aquele resgate. É um dos poucos grandes discos deste século pra mim. E tem ainda Pharrell Williams, outro geninho. Destaque lógico para a estonteante "Get Lucky" e também as faixas "Lose Yourself To Dance", "Give Life Back To Music", "Fragments Of Time" e "Giorgio by Moroder".


13-) Risqué - Chic (1979)

 
   
 

Um ano depois de sacudir o mundo com "Le Freak", a dupla Nile Rodgers e Bernard Edwards dariam sua tacada de mestre com a música "Good Times" que é considerada a melhor música Disco de todos os tempos, está entre as 100 melhores músicas do Século 20 e tem a marca insólita da música mais sampleada até hoje.
E não é pra menos. "Good Times" é daquelas músicas perfeitas. Arranjo sofisticado com o uso de cordas, comandada por um riff de guitarra hipnótico de Nile Rodgers e uma linha de baixo antológica de Bernard Edwards. Aliás é uma das linhas de baixo mais famosas de todos os tempos. E "Good Times" abre o álbum "Risqué", o terceiro álbum da banda Chic. Só o hit já coloca-o entre os melhores mas "Risqué" vai além. Mostra um Chic inspirado e em plena forma com músicas incríveis como "My Forbidden Lover", " My Feet Keeping Dancing", "What About Me" e a bela balada "A Warm Summer Night".


12-) That's The Way Of The World - Earth Wind & Fire (1975)

 
   
 

Defino este álbum como sua principal música. É uma estrela brilhando e há muito tempo desde 1975. O mais incrível do Earth Wind & Fire é que suas músicas não envelhecem. Elas não são datadas. São tão bem tocadas, tão bem elaboradas e o som é tão deles, que geração após geração acabam se apaixonado por essa banda. E "That's The Way Of The World" é um dos melhores exemplares do que esses caras já fizeram. Fez um sucesso tão grande que foi o álbum negro mais vendido de 1975 e o terceiro mais vendido entre todos. E não é pra menos. Temos aqui o melhro da música negra em todos os sentidos. Seja na hora do groove. Seja na hora do coraçnao bater mais forte. O melhor momento sem dúvida é "Shining Star". Que música! Um funk de arrepiar com uma melodia e um coral de tirar o fólego. Outro dos megahits da banda sairam daqui "That's The Way Of The World" e a lindíssima balada "Reasons" onde o Philip Bailey destrói tudo. Mas não é só isso. Outras coisas mágicas são as faixas " Yearnin' Learnin"", Happy Feeling" e "All About Love".


11-) Emergency On Planet Earth - Jamiroquai (1991)


 
   
 
Não sei o que nasceu primeiro. Meu amor pelo Acid Jazz ou meu amor pelo Jamiroquai. Mas uma coisa tenho certeza, foi com esse álbum "Emergency On Planet Earth". Lembro que estava em Londres e eu ouvi "When You Gonna Learn" pela primeira vez num radio relógio no quarto do Hotel. Na hora eu pensei que se tratava de Stevie Wonder, mas achei um Stevie Wonder meio estranho. No mesmo dia fui fazer aquele meu exercício diário de comprar discos na HMV da Picadilly Circus e não é que toca a tal música do rádio. Fui na hora ver do que se tratava e foi aí que eu conheci o Jamiroquai. "Emergency On Planet Earth" é um baita disco. Daqueles pra vida toda. Além da antológica "When You Gonna Learn", tem simplesmente um dos melhores Acid Jazz já feitos. A música "Blow Your Mind" com 8 minutos de deleite puro. Dividida em 4 minutos cantada e 4 minutos num instrumental delicioso. Fora isso temos aqui "Too Young To Die", "If I Like It, I Do It" e "Emergency On The Planet Earth".


10-) We Are Family - Sister Sledge (1979)


 
   
 


Mais uma obra prima da dupla Nile Rodgers e Bernard Edwards e que mesmo antes de ser concebido já era antológico. Eu explico. Nile Rodgers já era um dos grandes produtores em 1978 e lhe foi oferecido a produção do  álbum dos Rolling Stones na época. Nile Rodgers declinou do convite dizendo que seria apenas mais um álbum dos Stones e seu trabalho não seria valorizado. Pediu para a gravadora nomes de artistas desconhecidos  e foi aí que surgiu o grupo Sister Sledge. Nile viu a foto das garotas e adorou.Foi assim que nasceu o álbum "We Are Family". Um álbum emblemático e perfeito. Com músicas que se tornaram hits por serem boas demais. Tanto que tocam até hoje sem parar. E é um álbum tão fabuloso que foi lançado em 1979, fez sucesso. E foi redescoberto em 1984 na Inglaterra e fez sucesso de novo. O difícil aqui é saber qual é a melhor música. Mas a minha preferida é "Lost In Music" seguida de "He's The Greatest Dancer". Mas ainda tem a incrível "Thinking Of You", isso sem falar nos 8 minutos arrebatadores de "We Are Famly".


9) Bad - Michael Jackson (1987)



 
   
 
Grande álbum de Michael Jackson que teve a dura missão de suceder "Thriller" que simplesmente é o maior álbum de todos os tempos. E na época as comparações foram inevitáveis e "Bad" apesar de ser um sucesso, não foi tão valorizado quanto deveria. Mas o tempo passou, Michael Jackson morreu e ficou claro que "Bad" contribuiu e muito para o seu legado. Realmente trata-se de outra obra prima produzida por Quincy Jones, infelizmente a última dessa parceria incrível. "Bad" mostra um Michael Jackson mais pop mas nem por isso menos negro. A própria faixa título já escancara isso. Temos também aqui o início de um Michael Jackson gravando hinos com a bela "Man In The Mirror", talvez embalado pelo sucesso astronômico da sua "We Are The World". Nas baladas continuava imbatível com a antológica "I Just Can't Stop Loving You". No groove "Another Part Of Me" pedia passagem. "Dirty Diana" era a roqueira da vez. Mas as duas melhores faixas que podem entrar sem dó na lista das melhores de Michael Jackson são "The Way You Make Me Feel" e a sensacional "Smooth Criminal".


8) Saturday Night Fever - Vários (1977)


 
   
 
O filme Saturday Night Fever fez a Disco Music dominar o mundo e sua trilha sonora se tornou um ícone de toda uma época. Sua popularidade foi tão grande quanto a do filme, e por muitos anos, manteve-se a trilha sonora mais vendida de todos os tempos .E fez dos Bee Gees que até então era um grupo pop romântico se tornar o grupo Disco de maior sucesso na história. E os Bee Gees dominam o disco duplo com 6 faixas, 5 delas magníficas como "Stayn' Alive" que toca há 40 anos sem parar. "Night Fever" que era a canção favorita da dança Hustle. "You Should Be Dancing" que além de ser a melhor música do disco, embala o melhor momento do filme. E ainda as românticas e lindíssimas "How Deep Is Your Love" e "More Than A Woman” que tganhou também aqui a versão sublime do Tavares. A Philly Soul está presente com "Disco Inferno" que é uma obra prima black e "K-Jee" da banda MFSB. Temos também  Kool & The Gang com "Open Sesame", "A Quinta de Beethoven" de Walter Murphy,Boogie Shoes" da incrível banda KC & The Sunshine Band e a lindíssima "If I Can't Have You"de Yvonne Elliman. É o disco da Era Disco.


7) Back To Black - Amy Winehouse (2006)


 
   
 
Sempre comparo Amy Winehouse a um cometa. Veio não sei de onde, brilhou intensamente e foi embora muito rápido. Mas ela nos deixou esse álbum "Back To Black" que é o segundo álbum de sua carreira. Amy Winehouse foi a melhor coisa que aconteceu na música depois dos anos 80. Resgatou não só a Soul Music mas o universo das grandes cantoras. Abriu caminho para muitas outras. Adele não me deixa mentir. E tudo por causa de "Back To Black". Um álbum impecável produzido com maestria por Mark Ronson e Salaam Remi. Com músicas densas e fortes, arranjos modernos reiventando principalmente o som da Motown e uma Amy Winehouse em plena forma cantando como nunca. Talento puro. A faixa título é a melhor disparado. "Back To Black" me emociona até hoje quando escuto. Mas aqui temos outras maravilhas como "Tears Dry On Their On", "Love Is A Losing Game", "You Know I'M No Good", "Me & Mr Jones" e lógico o megahit "Rehab".


6-) Songs In THe Key Of Life - Stevie Wonder (1976)


 
   
 
Pra mim “Songs in the Key of Life” é o melhor álbum de Stevie Wonder. E olha, se tem alguém na vida que fez grandes álbuns foi esse cara. Ganhava Grammy de melhor álbum ano sim, ano sim. Mas nesse disco duplo ele extrapolou. Mais parece uma coletânea de grandes hits de tanta música boa que tem. Mas não é. Era tudo lançamento. Tudo original. Stevie Wonder ficou 2 anos gravando “Songs in the Key of Life” e brindou a gente com um dos melhores momentos de Soul/R&B de todos os tempos. É outro disco que tem mais de 40 anos e continua atual. Tem elementos de consciência social, espiritualidade e texturas musicais únicas. Olha só as faixas sublimes “Sir Duke”, “I Wish”, “Isn’t She Lovely”, “As”,  “Knocks Me Off My Feet”, “Pastime Paradise”, “Love’s in Need of Love Today”, “Another Star” e a graciosa “Ngicuela - Es Una Historia - I Am Singing”. Claro que levou o Grammy de melhor álbum de 1976.


5-) I Am - Earth Wind & Fire (1979)


 
 
 
 

Earth Wind & Fire foi a maior banda black de todos os tempos. Só ela teve dois vocalistas fabulosos do quilate de Maurice White e Philip Bailey. Fora que Maurice White além de mentor e líder do Earth Wind & Fire, era produtor e compositor de mão cheia e fez coisas incríveis com a parceria de Larry Dunn. Isso sem contar o baixo e a genialidade de Verdine White. E pra mim o melhor momento da banda está neste álbum “I Am” de 1979. Claro que antes eles já tinham barbarizado em outros álbuns e lançado músicas antológicas como “Fantasy”, “September” ou “Shining Star”. Mas “I Am” é um conjunto de músicas célebres em um álbum só. É a música negra boa invadindo as pistas de uma Disco no mundo todo. Esse é o álbum de “Boogie Wonderland” que tem a participação incrível do grupo Emotions. Este é o álbum de “After The Love Has Gone” uma balada que quebrou paradigmas e inaugurou uma nova espécie de baladas. Este é o álbum de “In The Stone” e aquela introdução apoteótica. Ainda temos “Can’t Let Go” e “Star” com Philip Bailey dando um verdadeiro show.


4) Purple Rain - Prince (1984)


 
   
 
Já conhecia Prince de outros carnavais. Do single "I Wanna Be Your Lover" e dos incríveis álbuns "Controversy" e "1999". O ano era 1984 e "Thriller" ainda ecoava no meu toca discos. Foi quando ouvi pela primeira vez "Purple Rain". Não acreditei naquilo que estava ouvindo. Lembro que voltei umas 10 vezes na faixa "When Doves Cry". Juro que esqueci de "Thriller" por um bom tempo. Prince inovava a música negra trazendo elementos que até então jamais tinha ouvido juntos. Era uma mistura de funk, com rock, com pop e com não sei o que. Aquela bateria eletrônica seca que ele já havia inaugurado no álbum "1999" aqui era presente o tempo todo mas de uma  maneira completamente diferente. E aí eu assisti o filme e aí a coisa pegou de vez. "Purple Rain" é sim uma obra prima Funk/Pop. É algo avassalador de um cara genial em todos os sentidos. Como cantor, compositor, produtor, músico. Enfim como um artista completo. Já gostava de Prince mas depois deste álbum ele passou a ser um dos meus monstros sagrados. Além de "When Doves Cry" que está entre meus 10 singles favoritos da vida, temos faixas antológicas como " I Would Die 4 U", "The Beautiful Ones", "Let's Go Crazy", "Baby I'm Star", "Take Me With U" e lógico "Purple Rain" que dispensa maiores comentários.


3) What's Goin On - Marvin Gaye (1971)


 
 
 
 

Marvin Gaye era um gênio. Um negro lindo considerado o príncipe da Motown. Nada mais justo do que ser dele a maior obra prima de toda a história da gravadora de Detroit. “What’s Going On” de 1971, foi sucesso de público e crítica. É considerado o 6º melhor disco do Século 20. E mais do que um álbum é um manifesto. É um poema que conta a história de um veterano de guerra que volta do Vietnã para os Estados Unidos e conhece a dura realidade da pobreza, das drogas, da injustiça. Musicalmente Marvin Gaye inovou. Fez um álbum conceitual gravado com quase uma única batida como se fosse um ciclo onde novas músicas entravam em sintonia. São apenas 9 faixas cantadas de uma maneira introspectiva mas que gritam com a nossa consciência. A faixa “What’s Going On” que abre o disco é um absurdo. Pra mim é a segunda música da minha vida. Nada é mais Soul que isso. E quando eu falo soul não estou me referindo apenas ao ritmo. Estou me referindo a nossa alma. E ainda temos aqui “Mercy Mercy Me” que fala de ecologia quando ninguém falava de ecologia. Outras maravilhas são “What Happening Brother”,  “Save The Children”,  “Right On”, a curtíssima e linda “ God Is Love” e a sensacional “Inner City Blues”.



2) Thriller - Michael Jackson (1982)


 
   
 

O que falar de "Thriller" que já não foi falado. Que é o maior álbum da história com mais de 100 milhões de cópias vendidas? Que é o álbum com mais singles no Top 10? Que é o álbum que ganhou mais Grammys? Que está há mais de 30 anos no livro dos recordes? Que tem o maior hit da história? Eu prefiro dizer que é aquele disco que todas as música são boas. Não tem uma descartável. É impressionante. Até os lados Bs são sensacionais. Segundo álbum da parceria Michael Jackson e Quincy Jones que rendeu ao garoto de Indiana o trono de Rei do Pop. Michael Jackson nunca mais seria depois de "Thriller" e nem a música seria mais a mesma. Aqui foi inventado o conceito de Videoclip e como consequência a ascensão da MTV. Michael Jackson quebrou todos os recordes possíveis da indústria e quebrou todos os tabus. Foi o primeiro negro na MTV. O primeiro negro a tocar numa rádio Rock e por aí vai. Musicalmente "Thriller" seguiu os passos de "Off The Wall" com algumas grandes inovações e incursões de elementos pop como a guitarra de Eddie Van Halen, o Rap de Vincent Price, por exemplo. Destaque maior para "Billie Jean", considerada o maior Hit Number One de todos os tempos e eu a considero a melhor música da minha vida. Ainda temos "I Wanna Be Startin' Somethin", "Thriller", "Beat It", " PYT (Pretty Young Thing)", "Human Nature", "Babe Be Mine", "The Girl Is Mine" e " The Lady In My Life". Enfim...o álbum todo.


1) Off The Wall - Michael Jackson (1979)


 
 


 
Não tenho a menor dúvida."Off The Wall" é o melhor disco de música negra já feito. É o disco da minha vida. E tenho inúmeras razões pra afirmar isso. Primeiro de tudo porque traz um Michael Jackson soberbo, na flor da idade, cantando como nunca. E ele foi o maior de todos. Depois porque "Off The Wall" inaugurou a maior parceria da história da música Quincy Jones e Michael Jackson. E ainda por cima foi um álbum revolucionário juntando pela primeira vez Rhythm & Blues com música Disco. Fora o time de músicos que Quincy Jones juntou pra gravar o álbum entre eles o nosso Paulinho da Costa, o baixista Louis Johnson, o compositor Rod Temperton e tantos outros. "Off The Wall" é o melhor álbum de toda a carreira brilhante de Michael Jackson. Até o lançamento de"Thriller" foi o álbum black mais vendido de todos os tempos chegando a cifra de 40 milhões de cópias. E seu sucesso foi tão grande mas tão grande que abriu espaço para que Jones e Jackson tivessem toda a liberdade para 3 anos depois produzir um álbum da magnitude de "Thriller". Eu sempre digo que"Thriller" seria impossível sem "Off The Wal". Em termos de hits "Off The Wall" também não fica atrás. Temos músicas imortais da carreira de Michael Jackson como "Don't Stop 'Til You Get Enough" e "Rock With You". Temos a sensacional faixa título "Off The Wall" uma das melhores que Jackson já cantou na vida. Temos uma composição que Stevie Wonder fez especialmente para o Rei do Pop cantar nesse disco, a lindíssima " I Can't Hep It". E como isso não bastasse, como estávamos em plena Era Disco o álbum ainda nos brindava com "Working Day and Night" e " Burn This Disco Out". Sensacional é pouco para definir esse meu Number One.


Sérgio Scarpelli