13/06/2012

Estréia impressionante!

Mais uma cantora inglesa e cantando Soul surpreende o mundo da música com uma voz única, talento enorme e um potencial absurdo.
 
 
 
 

Diferente do que acontece aqui no Brasil, onde os reality shows musicais não passam de programas de calouros bem produzidos e que não dão em nada, nos Estados Unidos e Inglaterra este formato de programa tem revelado grandes talentos musicais.

A versão inglesa do ótimo X-Factor mostrou ao mundo a cantora Rebecca Ferguson que foi segunda colocada na temporada de 2010 do reality, mas que mesmo assim impressionou todo mundo com sua voz única. Rebecca Ferguson não é só uma revelação da música. Ela é a revelação.

Sua forma de cantar realmente faz o coração suspirar. E claro faz lembrar de outras divas inglesas recentes como Adele, Amy Winehouse ou Duffy. Mas eu vou mais atrás e digo que Rebecca Ferguson poderia muito bem ser intitulada como a nova Gabrielle pela sua voz e beleza.

Mas comparações a parte, acho que Rebecca Ferguson tem um potencial para ser uma das maiores do gênero. Ela é a simplesmente fabulosa, lindinha de tudo e muito novinha ainda. Tem um caminho brilhante pela frente. E seu jeito de cantar dá sensação de vida longa na música.

Pois bem, Rebecca Ferguson lançou seu primeiro álbum “Heaven” que mesmo um pouco distante da qualidade de um “19”, “Back To Black” ou “Rockferry", é um excelente álbum e mais importante ainda, revela o que ela pode ser no futuro. Tem algumas faixas divinas.

Aliás Rebecca é divina.Ela tem uma tremenda intimidade tanto nas notas altas quanto nas notas baixas. É suave e forte na dose exata. Ela canta até com uma certa discrição sem pirotecnias vocais. Mas tem uma emoção implícita na voz que provoca um turbilhão melódico.

 
 
 
 

Rebecca Fergusson tem o ótimo produtor e compositor Eg White como colaborador principal. Ele que é conhecido de outros carnavais trabalhando com Adele e Duffy, compôs com a mocinha a maioria das faixas. Deu seu toque de midas.

O álbum ainda traz os produtores Hector Hayne (Westlife) e T-Fraser Smith (James Morrison), e tem toda uma atmosfera Vintage com sons que remetem a Memphis dos anos 70 em arranjos muito bem elaborados mas sempre discretos.

Destaque cinco estrelas para a faixa "Run Free" quer é algo de maravilhoso neste lado negro da música. Tem uma levada retrô, estilão Motown, mas é de uma beleza descomunal. Rebecca Ferguson dá um show de interpretação com seu poder vocal mas sem jamais gritar.

Outro momento lindíssimo e que merece toda atenção é na faixa "To Good To Lose". Com um arranjo bem similar ao que vem se fazendo na Soul Music mais pop, mostra uma Rebecca Ferguson a vontade cantando com a alma negra que emana de sua voz.

"Glitter & Gold" que já se tornou até hit e está tocando no mundo todo é outra maravilha deste álbum que brilha muito ao lado de faixas como "Nothing Real But Love", "Shoulder To Shoulder", "My Bright Eyes", "Backtrack" e a baladona "Teach Me How To Be Loved".

Estréía realmente impressionante. Altamente recomendado!

 
 
 
 

Sérgio Scarpelli