27/02/2014

O Episódio Que Deu Origem a Série

Lisa Stansfield influenciou toda uma geração de ótima cantoras soul na Inglaterra e agora está de volta depois de 10 anos.
 
 
 
 


Antes de Lisa Stansfield, a Blue-Eyed Soul inglesa mais famosa era Dusty Springfield que apareceu no final dos anos 50 e fez sucesso até nos Estados Unidos. Ou seja, durante 30 anos foi uma estiagem só até que uma bela morena de Manchester soltasse a voz em "People Hold On".

Nascia assim no final da década de 80 finalmente, a sucessora de Dusty. Simplesmente ela Lisa Stansfield que conquistou o mundo com sua voz única, com uma levada soul negra e doce,  e com hits fantásticos como "All Around The World" que vendeu sozinho mais de 1 milhão de cópias e foi nº1 até nos EUA.

Nos anos 90 Lisa Stansfield reinou praticamente sozinha na cena soul inglesa com álbuns como "Affection", "Real Love" e "So Natural". Além de sua beleza e simpatia, quem já viu um show de Lisa Stansfield sabe o poderio vocal desta mulher. Ela canta e encanta de verdade.

Tanto que toda uma geração de cantoras soul inglesas fantásticas como Amy Winehouse, Adele, Jessy Ware, Duffy, entre outras, cresceram ouvindo a diva branca e com certeza foram influenciadas por ela. Não só pela música em si, mas pelo jeito britânico de fazer soul.

Os anos se passaram e a inglesa foi se distanciando daquela música que tinha aura de Barry White, se tornando quase uma cantora pop comum. Até que ela decidiu dar um tempo bem longo, mais de 10 anos, para redefinir sua vida e buscar novamente sua inspiração inicial. Ela mesmo diz que a fama lhe fez muito mal.

Aos 47 anos em plena forma em todos os sentidos Lisa Stansfield está de volta com o álbum "Seven". Um álbum que resgata a cantora que nós nos apaixonamos em "Affection". É um lembrete de suas habilidades como cantora e um bálsamo para os fãs apaixonados como eu.

Lisa Stansfield prova aqui que foram necessários mais de 10 anos para ela se reencontrar consigo mesma. E as faixas de "Seven" deixam bem claro isso. É um álbum despretencioso mas cheio de alma. Ela não teve que se curvar a nada e nem ninguém para fazer o que ela mais sabe e aí o resultado é brilhante.

"Seven" não apenas faz lembrar quem foi Lisa Stansfield mas quem ela é e o que pode fazer daqui pra frente. É um resgate para ela e para os fãs trintões, quarentões e cinquentões. Quando eu ouvi pela primeira vez o single "Can't Dance" cheguei a ficar emocionado por tê-la de volta.

"Seven" é um álbum delicioso do começo ao fim. Daqueles que você ouve inteiro e não tem vontade de trocar. É atual e retrô a mesmo tempo. Super bem produzido, quase que totalmente orgânico e com canções realmente escolhidas a dedo. É um bom gosto só.

Destaque 5 estrelas para a faixa "Can't Dance". Um balanço delicioso que já deu origem a vários remixes mas nenhum bate a versão original. "So Be It" é Lisa Stansfield na veia. Uma música lindíssima numa toada soul mais calminha e que faz o coração suspirar.

A faixa mais sensacional de todas pra mim é "Carry On". Meu Deus do céu, o que é esta música? Ela tem uma pegada mais moderna onde Lisa Stansfield nunca tinha surfado. Mas ela realmente arrebenta tudo provando que em matéria de Soul Music a inglesa dá uma aula.

Outras belas faixas são "Love Can" bem no estilo Lisa, "Conversation"que é uma balada simplesmente lindíssima, "The Rain" que é outra aula soul e "Picket Fence". Enfim a bela Lisa Stansfield está de volta. E quando você ouvir Adele e cia., saiba que ela foi o episódio que deu origem a série.

Altamente recomendado!


Sérgio Scarpelli



Ouça o álbum aqui
https://t.co/XsnrZ8nQgD