21/11/2011

Como Antigamente!

Novo álbum do Sunlightsquare, traz o produtor Claudio Passavanti com 25 músicos, usando apenas a tecnologia disponível no começo dos Anos 70.
 
 
 
 

Esse Claudio Passavanti é mesmo um fanfarrão. Grande produtor italiano radicado em Londres há mais de 8 anos, ele sempre inventa algo fora do curva. Se não bastasse um início arrasador de sua trajetória com o álbum "Urban Sessions", agora ele ataca de "Britannia Shing-A-Ling".

"Britannia Shing-A-Ling" já é um álbum sublime por si só, do início ao fim, com uma escolha cirúrgica de repertório recheado de clássicos da Soul Music, do Northern Soul e Boogaloo. Mas a medida que você vai conhecendo a concepção do álbum, ele se torna antológico.

Pra começar, Passavanti queria gravar um álbum como antigamente. Ou seja, para extrair a essência da Soul Music, ele quis usar apenas a tecnologia disponível no início dos Anos 70 para se gravar um álbum. Tal qual se fazia na Motown e na Staxx por exemplo.

Para isso ele planejou toda orquestração do álbum 6 mêses antes da gravação. Um processo meticuloso e trabalhoso de planejamento. Essa gravação foi realizada ao vivo, de uma só vez, sem edição, com simplesmente 25 músicos dentro do estúdio Miloco em Londres.

E músicos de peso como Ernesto Simpson, Giovanni Imparato, Dave Patman, Vicky Jassey, Emanuele Brignola, Kevin Trail Mark, Rene Alvarez, Brendan Reilly, Gareth Lockrane, Quentin Collins , Massimo Creco, Tasita D' Mour, Sharlene Hector, Vanessa Freeman, entre outros.

Ou seja, tudo feito como antigamente para parecer algo absolutamente novo nos dias de hoje. E é essa a sensação que temos. Um som tão puro, tão cristalino e tão cheio de emoção que parece utilizar uma tecnologia que jamais alguém havia usado antes. Veja só!

Já não é de hoje que Claudio Passavanti vem fazendo estas peripécias realmente fantásticas com sua música. Ele busca nas raízes da Soul Music seu alimento. E na música latina, seu sabor. Isso faz do Sunlightsquare algo muito diferente dentro de um universo super explorado.

Tanto que ele mal chegou a Londres e já teve o apoio de gente graúda como Gilles Peterson, Craig Charles, Joey Negro e Louie Vega que ajudaram a tornar "Urban Sessions" um sucesso por lá. E em "Britannia Shing-A-Ling" ele realmente aflorou sua genialidade de vez.

O álbum vale a pena da primeira a última faixa. Mas claro que tem aquelas mais favoritas como o remake do clássico eternizado por Marlena Shaw, a música "California Soul". Ou a pérola de Wilson Picket, a faixa "Land Of !000 Dances". Ou ainda "Up Up And Away" e "Free Soul".

Um celebração a música feita de verdade! Altamente recomendado.


Sérgio Scarpelli


Ouça o álbum em www.sunlightsquare.co.uk