02/01/2021

The Black Godfather

Por trás de Jimmy Jam & Terry Lewis estava mais do que um empresário. Estava um anjo de todos.






Sempre fui muito fã da fabulosa dupla de produtores Jimmy Jam & Terry Lewis.
Desde os tempos quem eu nem sabia que eles eram responsáveis pelas obras primas
" Take Your Time”, “Just Be Good To Me”, “Tell If You Still Care”, "Borrowed Love"
e outras maravilhas do grupo SOS Band. Mas jamais podia imaginar que por trás dessa
dupla existia um anjo. Um negro baixinho, fantástico chamado Clarence Avant.

Conheci Jimmy Jam & Terry Lewis através do filme “Purple Rain” do Prince onde a banda
"The Time" de Morris Day participa brilhantemente. Logo virei fã da banda de Mineápolis
e fui atrás de seus discos e lá estava a dupla de produtores como dois de seus integrantes.
Aquele som pesado black misturado com acordes eletrônicos me conquistou profundamente.
Era algo novo na música negra.

 
 
 
 

Logo depois vieram Alexander O’Neal, Cherelle e mais um álbum do SOS Band
chamado "Sands Of Time” com a brilhante faixa "The Finest", todos com aquela
batida seca peculiar da dupla. E pra arrematar a irmã mais nova de Michael Jackson,
Janet Jackson surpreendeu o mundo todo com o magnífico álbum “Control"
uma das pedras fundamentais do New Jack Swing que inspirou até nossa querida banda Titãs.







A dupla Jimmy Jam & Terry Lewis continuou fazendo verdadeiros strikes na música.
Até o grupo Human League entrou na dança com o antológico single “Human”.
Diziam na época que o Rei do Pop era contra o som da irmã, mas verdade seja dita
Janet foi a única Jackson que fez fortuna sem a a ajuda do irmão. Mais tarde
com “Scream”o boato era desmentido e estava lá Jimmy Jam &Terry Lewis
produzindo Michael Jackson.

E porque eu contei tudo isso? Acabei de ver o incrível documentário produzido
pela NetflixThe Black Godfather” contando a história da vida de Clarence Avant,
um gênio, mentor de diversos ídolos da música negra, do esporte, do entretenimento,
da política, empresário, dono de rádios e gravadoras.  Enfim, uma lenda viva
com uma trajetória fantástica, correta e honesta. Aquele cara que conhece
todo mundo e é respeitado e reverenciado por todo mundo.







E foi justamente o Clarence Avant que para se recuperar de uma falência fundou
a gravadora Taboo Records que apostou na dupla Jimmy Jam & Terry Lewis.
Aliás ele apostou também em Bill Withers, no programa Soul Train, no Bill Clinton,
no pianista Lalo Schifrin que se tornou um dos maiores compositores da história
da TV e do cinema, no rebatedor Hank Aaron negro que bateu o recorde
mundial de Baby Ruth em Home Runs.

Enfim, Clarence Avant foi um dos grandes responsáveis por colocar a cultura negra
dos Estados Unidos no mapa do mundo. E em duas horas de documentário dirigido
por Reginald Hudlin a gente fica realmente seduzido por sua história contada
por gente como Barack Obama, Quincy Jones, Jamie Foxx, Lionel Ritchie,
LA Reid, Babyface, Bill Clinton, Snoop Dogg, Sean Combs entre outros.
O cara é um anjo.

Hoje com 88 anos, lúcido e com aquele humor ácido, ao lado de sua bela família,
Clarence Avant é um grande exemplo de como alguém pode ter um grande sucesso
e ser admirado por todos sem jamais ferir seus princípios, valores e sua ética.
Como bem disse sua filha ao final do documentário, tudo que ele fez na vida,
em todas as diversas áreas que atuou, jamais se desviou do seu propósito.
Ajudar um negro a progredir.

 
 
 
 



Sérgio Scarpelli