13/12/2011

Romântico Incurável!

Em "Love After War", o blue eyed-soul Robin Thicke volta as suas origens e faz um álbum de Soul Music romântico e super sensual.
 
 
 
 

Robin Thicke
é um cara de bom gosto. Isso é inegável. Sempre fez uma Soul Music refinada, com doses extras  de sensualidade e romantismo, muito influenciada principalmente pela obra de Al Green e Willie Mitchel. E nos seus 3 primeiros ess areceita parecia inabalável..

Mas no seu 4º álbum, “Sexy Therapy ", ele trocou a sensualidade por um erotismo. A Soul Music clássica pelo R&B e Hip Hop pasteurizado de hoje em dia. E fez um álbum super irregular com apenas alguns momentos de boa música se afastando daquele Robin Thicke do começo.

Não condeno jamais quem tenta navegar por águas desconhecidas a procura de algo novo. Quanto mais inquieto o ser humano, mais ele produz. E errar de vez em quando é algo bem produtivo. E parece que Robin Thicke sentiu o golpe duro de sua tentativa.

Tanto que ele volta a ser o Robin Thicke de sempre, e isso é muito bom, em seu quinto álbum " Love After War". Um álbum quase que inteiramente auto-biográfico onde Robin Thicke fala do seu relacionamento com a atriz beldade Paula Patton. E ela é uma mulher de sorte!

O álbum "Love After War" é extremamente romântico em sua temática. E com uma sensualidade refinada na sua execução. Robin Thicke recorreu as suas influências do passado e fez uma belo trabalho de Soul Music, com pitacos de Funky Groove dos Anos 70.

Por mais que não tenha todo aquele poderio vocal negro, Robin Thicke sabe usar sua voz de maneira bem inteligente fazendo parecê-la até maior do que é. E na sua especialidade maior que ee a produção ele caprichou muito em cada nota, em cada arranjo. Tudo classudão!

Destaque maior para as faixas "The Love Generation" bem no estilão consagrado do moço, "I'm An Animal" onde Thicke arrisca subindo o beat, a balada simplesmente maravilhosa "I Don't Know How It Feels To Be U" e "Pretty Lil' Heart" com a participação de Lil Wayne, Divina!

Outros destaques são as faixas "Love After War", "Lovely Lady" , "Cloud 9", " Full Time Believer", "Boring" e "Tears On My Tuxedo". Ou seja, um belo álbum cheio de melodia, arranjos realmente bem feitos e um Robin Thicke em plena forma. De volta a velha boa forma.

Altamente recomendado!


Sérgio Scarpelli