18/04/2014

Muito Além do Daft Punk

Além de guitarrista, compositor e líder do Chic, Nile Rodgers é um dos maiores produtores da história da música
 
 
 
 


Nile Rodgers é o que poderia se chamar de fenômeno. Como se não bastasse ser um eximio guitarrista, produtor, compositor e hitmaker, é líder da lendária banda CHIC. Uma das bandas Disco Funk mais bem sucedidas de todos os tempos que lhe rendeu até um espaço no "Hall of Fame". E como se tudo isso também não bastasse, é um dos produtores mais bem sucedidos da história chegando a cifra dos 110 milhões de álbuns
vendidos e a 3 bilhões e meio de dólares de faturamento. Artistas como Madonna, Diana Ross, David Bowie, Sister Sledge, Mick Jagger, B52's, Sheila B Devotion, Carly Simon, Grace Jones, Al Jareau se renderam ao talento dele. Outro recorde de Rodgers é no mínimo insólito. Sua música "Good Times", que figura entre as 100 melhores músicas do Século XX, é uma das mais sampleadas que se tem conhecimento. Até o grupo Queen pegou carona neste hit antológico. Agora ele está de volta com oi CHIC depois de 23 anos. Leia aqui sua entrevista para a Billboard:

Billboard: Como você se sente sendo uma influência para as novas gerações?
Nile: É estranho, muito estranho. Eu estava trabalhando no estúdio outro dia, e chegou uma garotada  dizendo: "Nile Rodgers!!! Eu comecei a tocar guitarra por sua causa". Eu pensei, "estou ficando velho!" [Risos]

 
 
 
 


Billboard: Embora você tivesse um som bem peculiar em suas produções você sempre conseguiu inovar. Em "Like a Virgin" da Madonna, por exemplo, você conseguiu extrair coisas muito interessantes e criativas da cantora...
Nile: Lembro de dizer para ela o seguinte: existe uma grande diferença entre as pessoas a reconhecerem como uma simples artista ou como um ícone pop. E com muito esforço, com um trabalho profundo, nós conseguimos. Madonna se tornou um ícone a partir deste disco.

 
 
 
 


Billboard: Falando sobre outra produção como foi fazer o memorável "Let's Dance" com David Bowie?
Nile: Eu tinha uma admiração incrível por David. Dos artistas que eu trabalhei, Bowie foi a arte da música. Quando estávamos gravando pensava que estava ao lado de um cara mais ou menos equivalente a Picasso.

Billboard: Surpreendeu-o o grande sucesso do disco, o maior de toda carreira de Bowie?
Nile: Não! O que me surpreendeu de verdade foi o David Bowie ter adorado o disco.

 
 
 
 


Billboard:
E Diana Ross? Já era uma superstar quando você trabalhou com ela não?
Nile: Sim. Mas a Diana queria mudar tudo o que estava fazendo até aquele momento. Até mudou de casa. Saiu da California e foi morar na Quinta Avenida em NY. Então o trabalho teve toda liberdade e Diana arriscou. Foi ótimo.

Billboard:
Qual a música do Chic que você mais gosta?
Nile: "Good Times" com certeza.

 
 
 
 


Billboard:
Falando em Good Times, o que você acha do sampler?
Nile: Já fui totalmente contra. Na música "Rappers Delight" do SugarHill Gang que vendeu 8 milhões de cópias eles samplearam Good Times. Poxa, aquela música tinha meus arranjos, minhas idéias, tinha meu trabalho e eu não fui pago pra isso. Processei a banda e ganhei a causa.

Billboard: E hoje?
Nile: Hoje eu olho de uma maneira mais aberta. O sampler como mais uma ferramenta para criar a música. Serve como atalho.

Billboard: Deve ser duro não ter mais Bernard Edwards, não?
Nile: Muito duro. Ele era meu melhor amigo. E faz muita falta. Nós éramos diferentes, mas idênticos ao mesmo tempo...Mas ele está aqui de alguma forma.

Billboard: Qual é o tipo do seu som?
Nile: Som para dançar. Para tocar em clubs. Eu sou um cara que nasceu nos clubs. Quando penso numa música, imagino as pessoas dançando. Eu sempre fiz isso em toda minha carreira e continuarei fazendo.