20/11/2021

A História de Thriller

Depois de lançar o maior álbum de todos os tempos,nem Michael Jackson e nem a música foram mais os mesmos.
 
 
 
 


A história de Thriller começa bem antes de 1982, ano do seu lançamento. Voltemos para 1978 com a produção do filme "The Wiz". Uma adaptação de um musical da Broadway lançado em 1975, que recontava a história do Mágico de Oz sob a ótica negra. Tanto que a peça e o filme foram totalmente dirigidos ao público afro americano. Só participaram atores e cantores negros.

No cinema a produção teve a assinatura da gravadora Motown. E foram escalados para o elenco Diana Ross e Michael Jackson, entre outros. A trilha sonora ficou por conta de Quincy Jones. E é aí que o Thriller entra na história. Durante a produção deste filme Quincy Jones se aproximou de Michael Jackson e ambos decidiram firmar uma das parcerias mais bem sucedidas da história da música.

O inesperado sucesso do álbum "Destiny" dos Jacksons e a brilhante perfomance de Michael tanto como cantor como compositor, fez a Epic dar carta branca a Jackson para produzir o seu primeiro álbum solo em idade adulta. Michael Jackson e Quincy Jones então começaram a produzir "Off The Wall", uma espécie de pai do Thriller.

"Off The Wall" causou furor entre o público e a mídia especializada. A mistura de black music e disco do álbum tornou-se referência nos anos que se seguiram. Em muito pouco tempo já era o disco de black music de maior sucesso na história. Superado depois apenas por Thriller"Off The Wall" já colocava Michael Jackson em outro patamar. Imagine que em um álbum só, ele vendeu muito mais do que em 11 anos com os Jacksons.

 
     
 

01 de Dezembro de 1982, Thriller é lançado

Voltando a história de Thriller, 3 anos depois do lançamento de Off The Wall, a Epic pressionou tanto Jones quanto Jackson a fazer mais um disco. Na verdade deram 3 mêses para que fosse produzido. Quincy Jones pediu então mais 3 meses. Ou seja, o maior álbum da história teve apenas 6 mêses de produção. Eles foram inteligentes e levaram em conta a máxima de que "em time que está ganhando não se mexe".

Rod Temperton foi chamado para compor algumas músicas, assim como tinha feito em "Off The Wall". Thriller deu sinal de vida com o single "The girl is mine" num dueto brilhante de Jackson com Paul McCartney. A música chegou ao primeiro lugar na Billboard. Era uma baladinha bem legal mas ela não dava nenhuma dica do furacão que estava por vir.

Pois bem, em 1º de dezembro de 1982 Thriller finalmente chega as lojas já com cara de antológico. E Billie Jean tocando nas rádios. Lembro até hoje, quando eu fui comprar Thriller. Um amigo meu trabalhava na Hi-Fi e me ligou dizendo que o novo disco de Michael Jackson havia chegado. Lembro que eu voltei umas onze vezes na faixa Billie Jean pois eu não acreditava no que estava ouvindo.

Ouvi Beat it também e me causou estranheza aquela guitarra pesadona. Mas por mais que eu visitasse outras faixas, Billie Jean era algo que eu nunca tinha ouvido. Mas esta impressão não foi só minha. Apenas dois meses depois, Thriller alcançava o primeiro lugar entre os discos mais vendidos e permaneceu por lá durante 37 semanas. 

 
   
 
Jackson tornou-se o primeiro cantor na história a tomar posse, simultaneamente, da primeira posição em todas as paradas de black e pop music nos Estados Unidos. Além de um sucesso de vendas, Thriller foi também um marco na luta contra a discriminação racial na indústria da música. Em março de 1983, o videoclipe de "Billie Jean" estreou na MTV fazendo de Jackson o primeiro negro cuja música ganhou espaço na emissora.

E por falar em Videoclip, Michael Jackson revolucionou a linguagem ao substituir a técnica da colagem de imagens por enredos nos vídeos de "Billie Jean" e "Beat It". O astro acabou criando de um novo conceito de produção. Com o curta-metragem gravado para "Thriller", Michael e o diretor John Landis estabeleceram ainda novos horizontes para a concepção dos clipes, que passaram a ser vistos como pequenos filmes.

A Festa dos 25 anos da Motown

Na noite de 16 de maio de 1983, 3 mil celebridades norte-americanas lotaram um teatro em Los Angeles para assistir a uma apresentação comemorativa dos 25 anos da gravadora Motown. De suas casas, 50 Milhões de norte-americanos acompanharam pela TV a apresentação dos vários artistas da Motown. Até que Michael Jackson começou a cantar "Billie Jean", o hit do ano até então.

De repente, Michael parou de cantar, andou até o canto esquerdo do palco e voltou... deslizando de costas. Foi impressionante. 3 mil queixos caídos. Naquela noite, mais do que mostrar pela primeira vez o passo que batizou como "Moonwalk" ("andando na lua"), Michael Jackson foi dormir consagrado como nada menos que o Rei do Pop.

 
   
 

"Foi aquele momento que cristalizou o status de celebridade de Michael Jackson", falou a revista americana Rolling Stone. Moonwalk, no mundo do entretenimento, só é comparável ao andar de vagabundo de Chaplin, a sequência de Gene Kelly em Dançando na Chuva ou aos passos de Fred Astaire. E não é que depois daquela apresentação, tanto Fred Astaire quanto Gene Kelly foram atrás de Jackson para parabenizá-lo.
 
Eu acho que este momento mágico, aliado a qualidade do disco e ao videoclip de Thriller foram os grandes responsáveis pelos números astronômicos deste disco.


Thriller em números

- 104 milhões de cópias vendidas (Livro dos Recordes)
- 132 semanas em primeiro lugar
- Sete compactos lançados ( 3 singles em primeiro lugar)
- Sete compactos no Top Ten Billboard
- 97 Prêmios
- 8 Grammys no mesmo ano
- 37 semanas como o disco mais vendido (Recorde até hoje)
- 82 semanas entre os mais vendidos
- Disco internacional mais vendido da história no Brasil
- 14 milhões de VHS vendidos do Videoclip Thriller


Comentários Faixa por faixa

1 - Wanna Be Startin' Somethin' (Michael Jackson)
É a música mais "Off The Wall" do disco. Uma espécie de evolução do que Michael já tinha feito em "Working day and night". É um funk/disco de primeira linha com um baixo antológico de Louis Johnson (um dos Brothers Johnson).

2 - Baby Be Mine (Rod  Temperton)
Talvez seja o melhor "lado B" que eu já tenha ouvido. Uma das 2 músicas que não foram lançadas em single. É um Michael Jackson soberbo aqui. Outra com gostinho de "Off The Wall". O comecinho bem no estilo "Rock with you".

3 - The Girl Is Mine (Michael Jackson)
Baladinha deliciosa que foi o primeiro single de Thriller. Saiu antes do próprio álbum. Era inaugurada aqui a parceria entre Michael Jackson e Paul McCartney. Eles ainda gravariam "Say Say Say" e "The Man" que fez parte do álbum "Pipes of Peace" de McCartney. Depois que Jackson comprou o catálogo de músicas dos Beatles os dois romperam amizade.

4 - Thriller (Michael Jackson e Rod Temperton)
Um musicão. Daqueles balanços que enchem qualquer pista. O Baixo aqui é fantástico. E o "rap" de Vicent Price, grande astro do cinema de terror B, foi um charme especial. Tenho os originais da gravação de Price. A música realmente causou furor depois do lançamento de seu videoclip. Se tornou um ícone da própria carreira de Michael Jackson.

5 - Beat It (Michael Jackson)
Pra mim é a segunda melhor música do disco. Não apenas isso. É uma das melhorers músicas de Michael Jackson. Aqui tudo beira a perfeição. Os vocais de Michael são irrepreensíveis e a guitarra de Eddie Van Halen é simplesmente antológica. Por causa de sua letra a música se tornou um hino anti gangues, chegando ao primeiro lugar na Billboard. Seu video também foi uma revolução e foi premiado pela MTV. "Beat It" foi a primeira música tocada em uma rádio de rock americana vindo de um negro, um feito até então inédito.

6 - Billie Jean (Michael Jackson)
Essa é a música. Não se limita apenas a ser a melhor de Michael Jackson. Está entre as 100 músicas do século e foi eleita o maior hit de todos os tempos. Billie Jean é perfeita. É simples. Tem toda sua base na bateria de Leon Ndugu Chancler e no baixo de  Louis Johnson.E um detalhe é incrível. O vocal de Jackson que aperece na gravação foi feito em um único take. É a música número 1 da minha vida.

7 - Human Nature (Porcaro/ Betis)
Essa música foi feita originalmente para o grupo Toto. Mas Michael Jackson a ouviu e quis por que quis incluí-la em Thriller. O desejo do Rei do Pop foi atendido. O mais icrível é que o Toto acompanha Jackson nesta gravação. Uma música deliciosa.

8 - P.Y.T. (Pretty Young Thing)  (James Ingram/ Quincy Jones)
A única música composta por Quincy Jones que está em Thriller. Ele fez em parceria com seu pupilo James Ingram que figura como coadjuvante. A música segue bem a linha das produções de Jones naquela época. Poderia muito bem fazer parte do seu álbum "The Dude" ou em algum álbum do Brothers Johnson.

9 - The Lady In My Life (Rod Temperton)
Esta foi a outra música de Thriller que não se tornou single. Michael Jackson sempre foi um ótimo cantor de baladas black. Fazia isso muito bem quando era criança. Belíssima canção. É a que tem menos apelo comercial no disco inteiro. Para ouvir a meia luz.

 
 
 
 
 

40 anos depois

Thriller é mais que um álbum, é mais que uma moda, é mais do que a marca de um grande popstar. Thriller é um acontecimento. E sem dúvida é o eterno maior álbum de todos os tempos. Não existe a menor chance de alguém chegar a cifra de 104 milhões de discos vendidos. Daqui a 50 anos quando alguém folhear as páginas do Guiness, na parte de música, Thriller ainda estará lá como o maior recordista.

E não poderia ser diferente. Toda esta história começou começou num filme chamado "The Wiz". E esta história, que já vai fazer 40 anos, é pura magia.


Sérgio Scarpelli