06/11/2008

Mariah Carey – E=MC2

Mariah Carey repete fórmula vencedora em novo CD.

 
 
 
 
Quem dizia que Mariah Carey estava desenganada e decadente, teve que engolir as palavras com o estrondoso sucesso do álbum "Emancipation of Mimi". Mariah voltou ao lugar onde estava acostumada. Ou seja, o primeiro posto nas paradas e o primeiro lugar em vendas. Emancipation vendeu quase 6 milhões de cópias só nos Estados Unidos e mais de 10 milhões no mundo todo sendo o disco mais bem sucedido de 2005. Com ele Mariah também colocou mais 3 Grammys em sua lotada prateleira. Foi a volta por cima mais por cima que eu já vi.

A fórmula para retomar o sucesso foi simples. Mariah olhou para o Hip Hop e escalou gente de primeira para co-escrever e co-produzir as músicas do álbum. Pharrel Williams, Jermaine Dupri, Dallas Austin, Kanye West, James Wright entre outros. Assim conseguiu produzir um pop palatável tanto para os adolescentes, como para seu público mais fiel e que já estava mais crescidinho.

Quase 3 anos depois, a musa está de volta no álbum "E=MC2". E como o próprio nome sugere, Mariah repetiu a fórmula cosagradora de Emancipation e deve fazer muito sucesso daqui pra frente. Principalmente porque seu primeiro single "Touch my Body" estourou nas paradas e fez Mariah superar Elvis como a segunda artista na história a colocar mais músicas no primeiro lugar da Billboard. Só os Beatles tem mais primeiros lugares que ela. Mas se continuar assim ela passa já já a banda. O placar está 20 a 18 para os ingleses.

"E=MC2" é o 11º álbum de estúdio de Mariah Carey numa carreira que já dura seus 20 anos. Ela deu uma turbinada na relação de colaboradores. Jermaine Dupri continua. Tem também o arroz de festa Will I Am. Tem Nate "Danja" Hills que também está no álbum de Madonna. Até o inglês Seal colabora na composição de "Love Story". Na primeira ouvida o disco é mais do mesmo e me parece um pouco inferior ao antecessor. É mais chatinho. Eu realmente não engulo muito esta mistureba R&B/Pop/Hip Hop. Muitas das músicas aqui poderiam estar num disco de Beyonce ou Rhianna. É música sem indentidade. Apesar de que a voz de Mariah está melhor que nunca e ela põe muita garotinha aí no bolso.

Os destaques são poucos. Mas tem. A faixa "I'm That Chick" é um balanço delicioso É diferente de todas as outras as faixas e mostra uma Mariah mais suave. Pra mim é a música do disco. A faixa "I'll be lovin' U long time" também é excelente tem certas partes que o timbre de Mariah parece Donna Summer. "O.O.C" e "Bye Bye" também valem a pena mas não muito. Aliás esta última é a única balada boa do disco. Não chega nem perto as maravilhosas "Vison of Love", "Hero" ou "I can't let go", mas lembra Mariah das antigas. De resto, não sobra muita coisa. Pelo menos pra mim.

Sérgio Scarpelli

29/04/2008 08:31:34