23/01/2009

M-Swift – Evening Sun

O Acid Jazz do Incognito continua inspirando os japoneses. Agora é a vez de M-Swift com seu mais novo e fabuloso álbum.
 
 
 
 
 

É impressionante. Mas o Japão continua sendo o país do groove nascente. E que groove minha gente. Que nos remete diretamente ao que se fazia de melhor nos tempos áureos do Acid Jazz.  Que hoje em dia é também conhecido como UK Jazzy Soul.  Não importa o nome. Importa que o novo  álbum de M-Swift chamado “Evening Sun”, além de fenomenal, é Acid Jazz na veia.

Diria que toda a vibe criada pelo Incognito ou The Brand New Heavies está neste disco. Mais do que que influenciado, M-Swift encarnou tudo de bom que estas bandas já fizeram. Aquela música melodiosa, com muitos metais, vocais precisos e muito groove. Dá até sensação que você está diante de uma compilação com os melhores momentos do movimento.

M-Swift na verdade é o japa Shouhei Matsushita. Natural de Hiroshima, começou a tocar guitarra aos 14 anos de idade. E lá já mostrava sua paixão pela Soul Music e pelo Jazz. Com 18 anos se mudou para Tokyo e começou sua carreira como guitarrista tocando em diversas bandas e clubes da cidade.

Até que em 2002 mudou o nome para M-Swift e deu início aos seus vôos solos. Sempre ligado ao groove e a Dance Music, Shouhei Matsushita começou a ser figurinha carimbada nas produções e compilações da italiana Irma Records e da japonesa Flower Records. Produziu remixes para artistas como Yukihiro Fukutomi, Notenshun, Arcoiris, Donald McCollum, Paris Match, entre outros.
 
Mas foi em 2005 que ele deu a tacada de mestre, Se mudou para Londres para finalmente trabalhar com o tipo de músicos que ele sempre curtiu. Ou seja, os músicos britânicos do Acid Jazz. Ao mesmo tempo propôs a Irma Records que produzisse seu álbum de estréia enquanto estivesse por lá.

Foi assim que nasceu o aclamado “Morning Light”, seu álbum debut, com as participações de Vanessa Haynes, Marcus Begg (Restless Soul, Nathan Haines, Isoul 8) e Nick Cohen (Incognito, Bah Samba).  Com o single “Morning Light”, M-Swift começou a ser o queridinho de muitos DJs da cena underground londrina.

Agora esta lançando “Evening Sun” que é uma obra prima do groove. É pra matar a saudade daqueles grandes álbuns de Acid Jazz mesmo. Shouhei Matsushita imprime um ritmo alucinante do começo ao fim. Você não para de ouvir música boa. E tem mais, se não te avisarem do que se trata, você vai ter quase absoluta certeza de que estará ouvindo um álbum Incognito.

Até os vocalistas Tony Momrelle e Joy Rose do grupo inglês estão neste álbum. E com enormes contribuições. Além deles cantam e encantam aqui Hazel Sim, Donna Gardier, Eric Robertson, Marcina Arnold e Vanessa Haynes.

“Evening Sun” é mais um daqueles que todas as faixas são ótimas. Mas tem aquelas que arrebetam tudo. Como por exemplo a faixa título com os vocais de Joy Rose. Fantástica! “Set you free”com Donna Gardier é outra de tirar o fôlego assim como  “Brighter Days”com Tony Momrelle , “This is it" e "Creator Love" com Vanessa Hayes.
 
Mas a faixa arrasa quarteirão pra mim é sem dúvida o remake de um hit antigo de Alison Limerick chamado “Make it on my on”, com vocais de Hazel Sim. Acho que até a própria Alison bateu palmas tamanha a sofisticação dos arranjos e o bom gosto na levada nova que M-Swift criou para a música. Fora que Hazel empolga!

Mais um álbum que me aparece com cara de um dos melhores do ano.


Sérgio Scarpelli



Para conhecer algumas faixas acesse  www.myspace.com/mswiftmusic2