06/11/2008

Joey Negro & Sunburst Band – Moving with the SHAakers

Joey Negro apresenta groove dos anos 70 em novo CD.

 
 
 
 
Sensacional! Talvez este seja o melhor adjetivo pra classificar o novo álbum de Joey Negro e a sua banda dos sonhos, a Sunburst Band. Simplesmente o cara estava inspirado e traz um resgate delicioso do groove dos anos 70 no álbum "Moving with the Shakers".

Joey é quase um saudosista neste álbum. Não que ele não esteja adequado aos dias de hoje. Não mesmo. Mas o trabalho dele e da Sunburst poderia muito bem ser lançado em 1979 que todo mundo iria entender. É quase que um Chic revisitado da melhor maneira possível. Ou um Jamiroquai mais com o pé na jaca na disco funk.

Para quem não sabe, a Sunburst Band é composta por músicos de grandes bandas como Incognito, Jamiroquai e Kyoto Jazz Massive. Este conceito foi muito bem imitado pelos The Super-Phonics e o resultado é sempre música da boa. Ou seja, um soul/funk as vezes mais underground e as vezes descaradamente popular para a pista de dança. E sempre sem cair na vulgaridade.

"Moving with the Shakers" que está saindo agora na Inglaterra é um discão. Daqueles em que todas as faixas merecem destaque. Basta colocar no seu carro ou no seu Ipod e esquecer de trocar. É uma música melhoir que a outra. Joey chega a perfeição no que ele se propõe a fazer. É um groove melódico cheio de influências setentistas, com vocais emocionantes e guitarras bem ao estilo Nile Rodgers e Jean Paul Maunick.

É um álbum "outstanding". Usa samplers antigões sem exagerar.

Tem trechinhos de Gino Vanelli, Dianne  Steinberg e até Universal Robot Band. Os vocais de Taka Boom e Leroy Burgess são perfeitos. O maior destaque é a faixa "Rough Times". Uma disco legítima com nuances de acid jazz. Outra que é divina é "Our lives are shapped". Pelo amor de Deus, o que Leroy faz aqui é estonteante. Outra que agora não posso sobreviver sem é "Journey to the sun" que é a faixa mais "Incognito" do disco.

Sei que sou entusiasta quando ouço música nova e boa, mas não tenho dúvidas que estamos aqui diante do disco do ano em matéria de groove.

Sérgio Scarpelli

05/05/2008 12:21:03