19/01/2009

A Voz do Momento

Indicada a 5 prêmios Grammy, Jazmine Sullivan é a melhor resposta americana até agora a Amy Winehouse.
 
 
 
 

Pra começar ela nasceu em berço esplêndido em se tratando de black music: Filadélfia. Canta que é uma barbaridade apesar de menina ainda. Está indicada a 5 Grammys. Revelação do ano, melhor cantora,  melhor álbum , melhor música e melhor perfomance tradicional. Essas quarto últimas indicações tudo na categoria R&B.

Mas na minha opinião, a maior virtude de Jazmine Sullivan é o frescor que ela trouxe para Soul/R&B americano. Que até agora estava cansado de tanto bater palmas para as emergentes artistas inglesas. Talvez, Jazmine seja a resposta tão esperada da América ao fenômeno Amy Winehouse. E quando digo isso, claro que estou me referindo a musicalidade apenas.

No Grammy por exemplo ela está disputando o prêmio de revelação com as inglesinhas Adele e Duffy. Duas soul singers britânicas  que vieram no rabo do foguete Amy Winehouse. Se bem que nesta categoria, se o Grammy confirmar sua tradição popularesca, eu acho que vai ganhar aquela coisa chamada “Jonas Brothers”. Mas isso é outro papo.

Voltando a Jazmine ela começou a cantar como quase 99% das cantoras negras, na Igreja. Ainda criança se destacou em concurso de novos talentos e logo chamou atenção da Jive Records que assinou contrato com Jazmine quando ela tinha apenas 15 anos. Como o álbum não saia, ela saiu da Jive. E começou compor seu próprio material.
 
Pois bem, em 2008 com apenas 20 anos, Jazmine lançava seu álbum de estréia chamado “Fearless”. Nunca um álbum fez tanto jus ao seu nome. Porque Jazmine iniciou sua carreira sem medo mesmo. Fez algo novo e sem rótulos. Por mais que ela fosse protegida e produzida por Missy Elliot.

 
 
 
 

Comece a ouvir “Fearless”  pelo começo. A faixa  “Bust Your Windows” vai fazer você entender perfeitamente tudo o que estou falando. É um som essencialmente contemporâneo. Claro que tem aquela pegada soul retrô da moda , mas é uma música diferente e fantástica.

“Fear” é outra maravilha que Jazmine reservou pra gente. Ela canta com uma calma e categoria de veterana. Divina! A faixa “Switch” assim como “One Night Stand” são os exemplares mais ingleses do álbum. Poderiam estar no repertório de Adele, Amy ou Duffy. Ótimas também.

Engraçado é que o álbum pra mim só dá umas pequenas escorregadas quando Jazmine se aproxima do R&B estilão Beyoncé por exemplo. Aí o disco perde um pouco seu brilho apesar de que qualquer coisa aqui é muito superior aos similares.

Vale a pena torcer por ela no Grammy!


Sérgio Scarpelli



Para mais detalhes acesse www.jazminesullivanmusic.com