14/08/2009

Entrevista com Leigh Jones

Linda, talentosa e com uma personalidade marcante. Assim é Leigh Jones.
 
 
 
 

Leigh Jones
que vem encantando o mundo da Soul Music com sua voz forte e ao mesmo tempo doce. Com o belíssimo álbum de estréia "Music in my Soul", Leigh Jones teve a proeza de tirar da aposentadoria o mago da Motown, Berry Gordy Jr e juntamente, trabalhar com seu filho, Kerry Gordy. O que mais me impressiona em Leigh, além é claro de suas músicas como Same Game, é a sua proposta de resgatar a música como sempre foi feita. É colocar suas idéias, influências e experiências pessoais na frente de qualquer tipo de modismo ou apelo comercial. Numa época em que as braquelas inglesas dão um show de originalidade na Soul Music, Leigh é uam bela resposta americana. Conheça um pouco mais desta loira californiana nesta entrevista que ela concedeu ao site SoulTracks, para a reporter Melody Charles. Vale muito a pena.

 
 
   
 

SoulTracks: Qual é a sensação de ter tirado Berry Gordy Jr. da aposentadoria para trabalhar com você em sua estréia (ele produziu a faixa "Cold In LA")?
Leigh: Foi incrível, uma porque sempre fui fã de tudo o que ele fez e das estrelas que ele ajudou a criar ao longo do tempo. Às vezes é muito assustador (risos), pois ele trabalhou com o melhor  do melhor do melhor. Quando você trabalha com alguém desse porte não quer errar. Então o processo sempre é tenso.

SoulTracks: E como foi trabalhar com o filho de Berry, Kerry Gordy?
Leigh: Kerry é da velha escola de tal maneira que ele é inflexível sobre suas idéias. É assim você ouve um monte de músicas, gosta bastante delas, e Kerry não diz uma palavra, não tece nenhum comentário. Mas o cara sabe das coisas.

SoulTracks: Como foi sua luta para chegar lá?
Leigh: Antes de conhecer o Kerry, as pessoas tinham idéias diferentes sobre mim. Muita gente achava que eu era pop, como Christina Aguilera. Mas isso não era o tipo de coisa que eu queria ouvir. Mas aí conheci o Kerry e nossa amizade se tornou muito sincera. A gente sempre falou o que pensava, um para o outro. E eu consegui transmitir a ele o que eu queria para mim. E graças a Deus, ele viu em mim o que eu queria. É preciso encontrar a pessoa certa para ouvir o que você tem a dizer.

 
 
 
 

SoulTracks: Você tem algumas influências importantes, como Teena Marie?
Leigh: Eu amo Teena Marie e eu sou realmente sua fã. Mas não me inspirei nela não. Sempre quis ser  fiel a mim mesmo e eu realmente precisava criar o meu próprio som. Meus pais tinham um monte de discos de Jazz em casa, mas ouviam também Chaka Khan e Pointer Sisters. Desta mistureba nasceu meu gosto musical.

SoulTracks: Você tem uma faixa favorita no seu álbum?
Leigh: Com certeza a faixa "Music" que expressa melhor quem eu sou. Eu também amo "Same-Game".

SoulTracks: O que você pensa sobre o movimento das meninas inglesas do "Blue Eyed-Soul"? Não é um forte concorrência?
Leight: Na verdade, eu gosto da Duffy, e de todas as faixas do seu álbum. Eu realmente apoio as outras meninas que estão fazendo a mesma coisa, porque  é muito difícil estar nesta indústria. Se tivesse feito um álbum com 40% daquilo que sou e 60% de tendências ou modismos eu poderia estar com medo de que alguém pudesse vir e tomar meu lugar. Mas tenho confiança no que estou fazendo.

SoulTracks: O que você espera afinal que os ouvintes sintam com o seu "Music in My Soul"?
Leight: Eu tenho muito orgulho do que fizemos neste álbum. Ou seja, fizemos músicas como a música costumava a ser. Com canções reais  embaladas por instrumentos reais. Quisemos criar algo atemporal e acho que conseguimios fazê-lo com qualidade. Eu realmente espero que todos entendam isso e assim juntos podemos trazer a música de volta.

 
 
 
 

Fonte: SoulTracks.com
Entrevista: Melody Charles
Versão e Texto: Sérgio Scarpelli