10/11/2021

A história de um dos maiores gênios da soul music.

Leon Ware, a lenda.

 
 
 
 
Por Sérgio Scarpelli

A soul music não seria a mesma sem Leon Ware. Seja como cantor, produtor e principalmente, como compositor. Ele carrega sobre si uma história belíssima com produções inigualáveis. Imaginem a soul music por exemplo sem "I want you" de Marvin Gaye? Ou sem "Body Heat" de Quincy Jones? Ou sem "Adventures In Paradise" de Minnie Riperton? Ou sem "Sumthin' Sumthin" de Maxwell? Ou até sem "Musical Massage" do próprio Leon? Eu não consigo imaginar de jeito nenhum.

E o que é mais legal de tudo é que mesmo com 68 anos o cara continua na ativa e fazendo música boa e inovadora. Acabou de lançar em agosto o ótimo album "Moon Ride" que é uma verdadeira aula de soul music para estas novas gerações.

Leon Ware não só fez história na velha e boa Motown ao lado principalmente de Marvin Gaye, como também arrasou no movimento Neo Soul criando uma de suas obras primas ao lado de Maxwell, a música "Sumthin' Sumthin". Ou seja, o cara não é fraco não.

De Detroit para o Mundo

Leon Ware começou sua carreira em Detroit em meados dos anos 50 fazendo parte do grupo de doo-wop, The Romeos, que tinha nada menos que o lendário Lamont Dozier. Nos anos 60 trabalhou na ABC Records, Motown até que em 1967 produziu o grupo "Isley Brothers". A partir daí nascia uma verdadeira fábrica de sucessos.

Trabalhou com Ike & Tina Turner no incrível album "Nuff Said", compôs para Michael Jackson "I wanna be where you are". Em 1973 ele se deu ao luxo de cantar no album histórico "Body Heat" de Quincy Jones.

A partir daí, Berry Gordy começou a insistir que Leon Ware devia se juntar a Marvin Gaye. Nas palavras do dono da Motown, Leon e Marvin, seriam a melhor dupla da música negra. Foi assim que Leon Ware deu a Marvin Gaye  o álbum "I want you". E quando falo deu é no sentido literal mesmo. "I Want You" de Marvin Gaye poderia ter sido o seu álbum de estréia de Leon Ware mas ele decidiu colocar nas mãos do mestre. Sábia decisão pois isso além de concretizar um dos grandes álbuns de Marvin Gaye, fez com Leon Ware lançasse um álbum solo que se tornou um dos melhores da história da soul music, o incrível "Musical Massage" de 1976.

Leon Ware saiu da Motown em 1978 e pegou par valer em sua carreira solo. Fez "Inside His Love" de 1979, "Leon Ware" de 1982, "Undercover" de 1987 e "Taste The Love" de 1995, "Love's Drippin" de 2002, "A Kiss in the Sand" de 2004 e agora este "Moon Ride" lançado pela revigorada Stax.

Como compositor e produtor Leon também trabalhou com artistas como Minnie Riperton, Nancy Wilson, Donny Hathaway, Bobby Womack, The Miracles, Norman Connors, Average White Band, Rufus e mais recentemente com Maxwell, Ice Cube, A Tribe Called Quest e 2Pac.

O Novo álbum "Moon Ride"

Apesar de enaltecer a longevidade da carreira de Leon Ware é notório que os álbuns que ele produziu nesta década, eram meio que feitos na raça. As sempre ótimas músicas compostas por ele em "Love's Drippin" e "A Kiss in the Sand" derrapavam e muito na produção quase caseira. Ou seja, se tornaram álbun menores de sua carreira.

Felizmente o selo Stax decidiu investir em Leon e produzir "Moon Ride" com tudo que tem direito. Com uma produção apurada que um gênio como ele merece. E o resultado não poderia ser outro. "Moon Ride" é fantástico. Diria que é um "Musical Massage" modernizado. Ware tem uma sensibilidade para falar de amor que é fora do comum. E em todas as músicas consegue imprimir lirismo e sensualidade. É uma ode a Soul Music.

Outro detalhe fundamental de "Moon Ride" é que ele foi composto como um álbum e não como uma coleção de singles. Marvin Gaye fazia isso e muito bem. Não sei quem aprendeu com quem já que eram muito amigos.

Destaque para a faixa "Smovin'"  que é a melhor do album. Um soul jazz que ficaria perfeito na voz de Marvin Gaye. Tenho certeza que se ele estivesse vivo, Leon daria esta música pra ele. Além da sutil linha de baixo, James Ingram encanta nos backing vocals. "I never loved so much" e "To serve you (All my love)" são outras onde se pode ouvir o fantasma de Marvin. Sublimes! 

A impressão depois de ouvir "Moon Ride" é que  Ware continua um artista pioneiro que não para de evoluir. E que talvez hoje seu trabalho seja mais relevante do que foi nos anos 70. Ele é um poeta dos sentidos, que descreve como ninguém a intimidade física e emocional dos amantes. A música de Leon Ware fala direto ao coração, sem escalas.

03/09/2008 11:45:58