13/07/2009

Entrevista Exclusiva com James Day

Grande compositor de Soul Music fala ao Jazzmasters sobre sua carreira e seu 2º álbum autoral “Natural Things”.
 
 
 
 

Por Sérgio Scarpelli


Graças ao mundo sem fronteiras que a Internet instituiu, cada vez é mais frequente o contato de artistas internacionais com o Jazzmasters. Agora foi a vez do compositor e produtor James Day. Entre um papo e outro fiz uma entrevista onde ele conta um pouco de sua carreira, do mercado da música e do seu novo álbum.

Para quem não sabe, James Day é mais conhecido como compositor. Já fez músicas para grandes nomes consagrados como Diane Warren, Carole King, Carole Bayer Sager, Patrice Rushen, Stephanie Mills, Ledisi, Maysa, Frank Mccomb, e Rahsaan Patterson.

Costumo chamar James Day como Novo Maestro da Soul. E tenho meus motivos. James Day acumula grandes prêmios como compositor : “Abe Olman Award” e  1º colocado no grande prêmio “The John Lennon & Billboard Magazine International Songwriting Competitions

Seu primeiro álbum autoral  Better Days” chegou ao primeiro lugar na Soultracks.com (America's Number 1 Soul Music Website) e na Solar Radio (the UK's Number 1 Station for Soul and R&B.). Agora você vai saber um pouco mais da carreira deste simpático Soul Man. Ladies & Gentlemen, James Day

 
 
 
 

 
Sérgio: Quem é James Day?
James: Eu sou um compositor de músicas Pop e R&B para grandes gravadoras. Faço também muito material para Grandes Redes de Televisão. Atualmente me lancei em carreira solo, produzindo minhas próprias canções e convidando meus cantores favoritos para interpretá-las. Crio um tipo de música que é ignorado pelo mercado mainstream mas que faz um bem danado para a alma.


Sérgio:
Soube que você começou como bailarino. É verdade?
James: Sim lá pelos anos 80. Mas tive uma doença que me impossibilitou de continuar. Aí não queria me separar da música e comecei a escrever canções. Depois de ganhar muitos prêmios comecei a acreditar que era bom o suficiente para fazer isso.


Sérgio: Quais são suas influências?
James: São muitas. Quincy Jones & Rod Temperton, Ashford & Simpson, Patrice Rushen,e por aí vai.


Sérgio: O que você espera deste novo álbum “Natural Things”?
James: Eu espero que as pessoas gostem e o comprem “legalmente”. Eu realmente gostaria de produzir mais álbuns mas depende muito do sucesso comercial deste.
 

Sérgio:
Eu defendo muito a compra legal de música e condeno a pirataria principalmente na internet…Mas continuando, como foi o processo de seleção destes grandes cantores que estão no seu álbum?
James: Eu tento atrair grandes intérpretes fazendo a melhor música possível. Quero que eles sejam atráidos pela qualidade…


Sérgio: Você trabalhou com grandes artistas como Diane Warren, Carole King, Patrice Rushen, Stephanie Mills, Ledisi, Maysa. Tem algum artista que você quer muito trabalhar e ainda não conseguiu?
James: Eu adoraria trabalhar com Lalah Hathaway, Will Downing, Patti Austin, George Benson, Natalie Cole e Chaka Khan.

 
 
 
 

Sérgio: O que você acha deste renascimento da Soul Music nos últimos anos?
James: Eu sempre curti música verdadeira. Ou seja, com coros reais, instrumentos reais, melodias fortes e um grande cantor interpretando. E é bom ver que isso está voltando aos poucos. As músicas que eu cresci ouvindo estão na minha vida até hoje. E são músicas assim. Infelizmente, a maioria das músicas produzidas hoje entra por um ouvido e sai pelo outro ainda…


Sérgio: Eu sou seu fã. Adoro os álbuns “Better Days” e “Natural Things”. Mas os dois são bem calminhos, bem slow groove. Não pensa em fazer algo diferente?
James: Eu dei uma pequena acelerada no beat de “Natural Things” Tem mais músicas uptempo que no outro álbum. Mas vou ser sincero, baladas e músicas midtempos são minhas favoritas. Mas ainda penso em fazer um álbum Dance.
 

Sérgio: Uma curiosidade, como você conheceu o Jazzmasters?
James: Foi um amigo meu que estava no Brasil. Ele estava procurando boas músicas quando encontro seu site. Aí de repente ele viu minha foto e falou: “Eu conheço este cara!”(rs)


Sérgio:
Quem você anda ouvindo atualmente?
James: O álbum “Self Portrait”de Lalah Hathaway, o novo álbum de Will Downing “Classique”que ainda nem saiu. E muita Chaka Khan!!!


Sérgio: O que você pensa sobre o novo mercado da música. O fim do CD e o enfraquecimento das grandes gravadoras?
James: A questão primordial é que se as pessoas não pagarem pelas músicas ninguém será capaz de gravá-las. Custa dinheiro chamar músicos, produzir. Eu por exemplo gostaria de fazer um álbum todo com instrumentos ao vivo, mas não é possível. Precisamos criar uma maneira de proteger o artista para que suas músicas sejam compradas e não roubadas. Se isso não mudar vamos ouvir no futuro apenas jingles de refrigerantes e calças jeans!


Sérgio: Gostaria que você deixasse uma mensagem para todos os ouvintes do Jazzmasters
James: Agora eu sei o que vocês já sabem faz tempo.O Jazzmasters é um lugar que você ouve realmente a boa música. Obrigado por vocês apoiarem a boa música!